São Francisco Xavier – 03/12

São Francisco Xavier

A Igreja, que na sua essência é missionária, teve no século XV e XVI um grande impulso do Espírito Santo para evangelizar a América e o Oriente. São Francisco Xavier é considerado o maior missionário da Igreja desde os tempos de São Paulo. São Pio X o proclamou padroeiro de todas as missões exteriores. No Oriente, São Francisco Xavier fundou várias missões, a ponto de ser conhecido como “São Paulo do Oriente”. Ele nasceu no castelo de Xavier, na Espanha, a 7 de abril de 1506. Com dezoito anos foi para Paris estudar, tornando-se doutor e professor.

Buscava as vaidades do mundo até que conheceu Santo Inácio de Loyola, com quem fez amizade, e que sempre repetia ao novo amigo: “Francisco, que adianta o homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?” Com o tempo, e intercessão de Inácio, o coração de Francisco foi cedendo ao amor de Jesus, até que entrou no verdadeiro processo de conversão; o resultado se vê no fato de ter se tornado cofundador da Companhia de Jesus.

Já como Padre, e empenhado no caminho da santidade, São Francisco Xavier foi designado por Inácio para ir em missão ao Oriente. Na Índia, fez frutuoso trabalho de evangelização que abrangeu todas as classes e idades. Ao avançar para o Japão, submeteu-se em aprender a língua e os seus costumes, a fim de anunciar um Cristo encarnado. Ambicionando a China para Cristo, pôs-se a caminho, mas em uma ilha frente a sua nova missão, veio a falecer por causa da forte febre e cansaço.

Esse grande santo missionário morreu com quarenta e seis anos, e percorreu grandes distâncias para anunciar o Evangelho, tanto assim que se colocássemos em uma linha suas viagens, daríamos três vezes a volta na Terra. São Francisco Xavier, com dez anos de apostolado, tornou-se merecidamente o Patrono Universal das Missões ao lado de Santa Teresinha do Menino Jesus.

Santa Bibiana, ou Viviana – 02/12

Bibiana nasceu entre 361 e 363 – em Roma.

Era filha de pais cristãos, que foram mortos quando o imperador Juliano, “o Apóstata”, iniciou uma perseguição aos seguidores de Cristo.

Consta que o Governador Aproniano, depois de mandar matar os pais de Bibiana, Fausto e Dafrosa, para apoderar-se dos bens do casal se voltou também contra Bibiana e Demétria, suas filhas.

Defrosa, a mãe foi decapitada. Ela e a irmã Demétria, antes, foram levadas para a prisão e submetidas a muitas torturas. Resistiram a tudo e foram conduzidas para o açoitamento.

A primeira a morrer foi Demétria, que perseverou na fé após severos suplícios na presença da irmã. Por último, foi o martírio de Bibiana, para a qual, conforme a antiga tradição, o governador local usou outra tática. Foi levada a um bordel de luxo para abandonar a religião ou ser prostituída. Mas os homens não conseguiam aproveitar-se de sua beleza, pois a um simples toque eram tomados por um surto de loucura. Bibiana, então, foi transferida para um asilo de loucos e lá ocorreu o inverso, os doentes eram curados.

Sem renegar Cristo, foi entregue aos carrascos para ser chicoteada até a morte e o corpo jogado aos cães selvagens. Outro prodígio aconteceu nesse instante, pois os cães não o tocaram. Ao contrário, mantiveram uma distância respeitosa do corpo da mártir. Os seus restos, então, foram recolhidos pelos demais cristãos e enterrados ao lado dos familiares, num túmulo construído no monte Esquilino, em Roma.

Finalmente, a perseguição sangrenta acabou. A história do seu martírio ganhou uma devoção dos fieis. Santa Bibiana passou a ser invocada contra os males de cabeça e as doenças mentais e a epilepsia. Seu túmulo tornou-se meta de peregrinação e o seu bonito nome escolhido na hora do batismo. Também a conhecida variação, não menos bela, de Viviana se tornou popular na cristandade.

A veneração era tão intensa que o papa Simplício mandou construir sob sua sepultura uma pequena igreja dedicada a ela, no ano 407. O culto ganhou um reforço maior ainda quando, por volta de 1625, foi erguida sob as ruínas da antiga igreja uma basílica. Nela, as relíquias de santa Bibiana se encontram guardadas debaixo do altar-mor. A escultura de Santa Bibiana encontra-se hoje na igreja de mesmo nome em Roma. Sua fachada também foi restaurada por Bernini, dando sua aparência atual. Os corpos da mãe e da irmã de Bibiana foram encontrados em um sarcófago e depositados em urnas sob o altar principal.

Além de ser uma das padroeiras da belíssima cidade de Sevilha, na Espanha, santa Bibiana é, também, padroeira da diocese de Los Angeles, nos Estados Unidos. 

Santo André – 30/11

CONTEXTO HISTÓRICO

João voltara de sua vida eremítica e pregava em Betânia, às margens do rio Jordão, anunciando que chegara o tempo do Messias prometido. Era a plenitude dos tempos, o próprio Deus assumira a condição humana, para mostrar à humanidade como fazer parte do Reino de Deus.

Alguns jovens se aproximaram de João e de seus ensinamentos. Entre eles estava André, discípulo da primeira hora, tanto de João Batista, quanto de Jesus. Continue lendo “Santo André – 30/11”

São Saturnino de Toulouse – 29/11

CONTEXTO HISTÓRICO

Entre os documentos dos primeiros tempos da Igreja, há uma carta escrita por Irineu a um amigo, no ano 190. Eis um pequeno trecho dela: “Pois o que aprendi na infância cresceu com minha alma e está integrado nela… Posso então dizer em que lugar o bem aventurado Policarpo sentava-se para falar… Posso descrever as conversas que ele tinha com o povo, como contava seus encontros com João e os outros discípulos que viram o Senhor, como se lembrava do que foi dito e das coisas que ouvir contar… Tudo isso está conservado no meu coração.”

A beleza desse pequeno texto exprime os sentimentos que invandiam e incendiavam o coração dos primeiros cristãos, dando a eles força para enfrentar os perseguidores, o martírio e a morte. É a verdade da Tradição que a Igreja foi transmitindo de uma geração para a outra. O mesmo Irineu escreve em outro documento, a respeito dessas primeiras comunidades: “Eles não têm papel nem tinta, mas a salvação está escrita em seu coração pelo Espírito e eles guardam fielmente a tradição”.

Em janeiro de 250 começa a perseguição do imperador Décio, que viveu de 200 a 251. O imperador exigia que todos participassem das cerimônias em honra dos deuses imortais. Queimar incenso aos pés dos ídolos era um desafio para os cristãos. Nesse contexto vamos encontrar São Saturnino, o santo que homenageamos hoje. Continue lendo “São Saturnino de Toulouse – 29/11”

São Tiago da Marca – 28/11

CONTEXTO HISTÓRICO

O contexto histórico em que viveu o santo de hoje foi de 1394 a 1476. Agravando ainda mais o complexo quadro de crise feudal, França e Inglaterra se debatem na famosa guerra dos cem anos, que se estendeu de 1337 a 1453. Disputaram propriedades e regiões, brigando por riqueza e poder.

Também em Roma havia brigas, pois os italianos se diziam fartos de papas franceses. Acontece o Concílio de Constança, que se reuniu de 1414 a 1418. O seu principal objetivo foi acabar com o cisma papal que tinha resultado do Papado de Avignon. Quando ele foi convocado havia uma disputa de legitimidade por parte de três papas.

Enquanto essa disputa de poder se desenvolve, um brilhante pregador será enviado por Deus, para lembrar ao mundo o valor evangélico do serviço. Ele vai anunciar novamente que quem quiser ser o maior no Reino de Deus, que se prepare para ser o servidor maior, o que veio para servir a todos. Continue lendo “São Tiago da Marca – 28/11”

São Virgílio – 27/11

CONTEXTO HISTÓRICO

Por volta de 640, os muçulmanos já conquistaram Constantinopla e o Egito. Na Europa, começa a brilhar a estrela da monarquia francesa. Morre o rei Carlos Martelo. Seu filho, Pepino III, cognominado o Breve, consegue o apoio de Roma para se tornar o rei dos francos. Ele consegue ser o primeiro rei dos francos a ser ungido, primeiro por São Bonifácio e depois pelo Papa Estêvão II.

Pepino é um homem devoto e se sente incomodado com grandes senhores da França do Sul que, sendo uma mistura de príncipes e de bispos, confundem a sua própria bolsa com a bolsa da Igreja. Resolve, então, promover uma profunda reforma na igreja franca.

Da irlanda virá um homem que irá contribuir decisivamente para o sucesso dessa empreitada do rei Pepino, o Breve. Continue lendo “São Virgílio – 27/11”

São Leonardo de Porto Maurício – 26/11

CONTEXTO HISTÓRICO

Nosso santo de hoje é Leonardo de Porto Mauricio, que viveu de 1676 a 1751, na Itália. Nessa época muitos estudiosos propiciam uma nova era nos diversos campos do conhecimento. O uso cada vez maior da Razão desperta idéias iluministas, que apostavam no desenvolvimento do ser humano em busca da felicidade. O Iluminismo se propunha a lançar luzes sobre o obscuro conhecimento até então conseguido pela raça humana. Seria uma Idade da Razão, em oposição à Idade das Trevas medievais.

Nesse ambiente viveu nosso santo de hoje, procurando fazer com que seus contemporâneos aceitassem a paz verdadeira anunciada e prometida por Jesus para os que vissem de conformidade com as verdades evangélicas. Através da paixão de Jesus, ele anunciava a verdadeira luz, vinda ao mundo para iluminar todos os povos. Continue lendo “São Leonardo de Porto Maurício – 26/11”

Santa Catarina de Alexandria – 25/11

CONTEXTO HISTÓRICO

No início do século IV Diocleciano promoveu outra cruel perseguição aos cristãos. Muitas histórias desses martírios foram escritas nos séculos seguintes, mesclando algumas vezes fantasias com realidades.

Em 302 a crise se instala em Antioquia. O culto cristão é proibido, livros e utensilios litúrgicos são confiscados, igrejas são queimadas, cristãos são mortos. Foi a mais feroz perseguição romana aos cristãos. Eles são mortos para todo lado: Roma, Augsburgo, Sétif, Saragoça, Barcelona, Córdoba, Siracusa, e outras mais. Continue lendo “Santa Catarina de Alexandria – 25/11”

Santo André Dung-Lac e companheiros – 24/11

CONTEXTO HISTÓRICO

Nosso contexto histórico de hoje são os anos 1800, no sudeste asiático. É a região que inclui Vietnã, Laos, Camboja, e, às vezes, Tailândia e Myanmar, antiga Birmânia. Essa região, a partir do século XVI, recebeu missionários jesuitas, frades da Ordem de São Domingose, membros da Sociedade das Missões Estrangeiras de Parisde outras organizações religiosas, fazendo florescer uma fervososa cristandade.

Contudo, nos séculos XVII, XVIII e XIX, mais precisamente de 1625 a 1886, governantes dessas regiões tudo fizeram para despertar o ódio contra a religião cristã e os discípulos de Cristo. Quanto mais perseguidos, maior o fervor cristão, tendo como resultado um gande número de mártires. Continue lendo “Santo André Dung-Lac e companheiros – 24/11”

São Clemente I – 23/11

CONTEXTO HISTÓRICO

No contexto histórico de hoje voltamos aos primeiros anos do cristianismo, após a morte de São Pedro e São Paulo. Santo Irineu, no século II, cita os nomes de Lino e Cleto. Posteriormente veio Clemente, o primeiro a registrar a pequena estrutura da Igreja de Roma, com seus epíscopos e diáconos. Mostra ser um papa preciso, modesto, humilde. Continue lendo “São Clemente I – 23/11”