São Silvestre I – 31/12

31-12

O longo pontificado de são Silvestre (de 314 a 335) correu paralelo ao governo do imperador Constantino, numa época muito importante para a Igreja apenas saída da clandestinidade e das perseguições. Foi nesse período que se formou uma organização eclesiástica que duraria por vários séculos. Nesta época teve lugar de destaque o imperador Constantino. Este, de fato, herdeiro da grande tradição imperial romana, considerava-se o legítimo representante da divindade (nunca renunciou ao título pagão de “Pontífice Máximo”), e logo também do Deus dos cristãos e por isso encarregado de controlar a Igreja como qualquer outra organização religiosa.

Foi ele por isso, e não o papa Silvestre, que convocou no ano 314 um sínodo para sanar um cisma irrompido na África, e foi ele ainda que, em 325, convocou o primeiro concílio Ecumênico da história, em Niceia, na Bitínia, residência de verão do imperador. Silvestre, não podendo intervir por causa da sua idade avançada, enviou como seus representantes ao importante acontecimento o bispo Ósio de Córdoba e dois sacerdotes.

Assim fazendo, Constantino introduzia um método de intromissão do poder civil nas questões eclesiásticas que não será sem nefastas consequências. Mas no momento as consequências foram positivas, também pela boa harmonia que reinava entre o papa Silvestre e o imperador Constantino. Este de fato não poupou o seu apoio também financeiro para a vasta obra de construção de edifícios eclesiásticos, que caracterizou o pontificado de são Silvestre.

Em particular, foi precisamente Constantino que na qualidade de “Pontífice Máximo” pôde autorizar a construção de uma grande basílica em honra de são Pedro, na colina do Vaticano, após ter destruído ou parcialmente recoberto de terra um cemitério pagão, descoberto pelas escavações, feitas a pedido de Pio XII em 1939. Foi ainda a harmonia e colaboração entre o papa Silvestre e Constantino que permitiram a construção de duas outras importantes basílicas romanas, uma em honra de são Paulo na via Ostiense e sobretudo a outra em honra de são João.

Constantino, aliás, quis até demonstrar a sua simpatia para com o papa Silvestre dando-lhe o seu próprio Palácio Lateranense que foi desde então e por diversos séculos a morada dos papas. Não lhe deu, todavia, como afirma o Martirológio Romano, a satisfação de administrar-lhe o batismo (que Constantino recebeu só na hora da morte). São Silvestre morreu em 335.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
FONTE:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-silvestre-i-papa#.WdKlcltSzb0

São Fulgêncio – 30/12

30-12

Nos inícios do século VI, Ruspe, pequena cidade da província romana Bizacena, ficara sem bispo, como outras cidades africanas, porque o rei visigodo Transmundo, zeloso ariano, proibira a eleição de novos bispos católicos. Mas os bispos de Bizacena decidiram opor-se a esta injusta disposição. Entre os candidatos foi proposto também Fulgêncio, homem de grande cultura teológica e humanística, que ao amor do estudo unia a prática da ascese cristã. Nascido em 467, de família romana estabelecida em Cartago, dera boa prova de como administrar, seja cuidando do rico patrimônio paterno, seja como procurador dos impostos da província. Após haver lido o comentário de santo Agostinho do salmo 36, orientou decisivamente sua vida à austeridade e à procura da solidão. Tentou mesmo ir ao encontro dos monges egípcios, mas o navio que o transportava teve de ancorar em Siracusa. Ordenado sacerdote, pouco depois chegou-lhe a notícia de que estava entre os candidatos ao episcopado.

Era demais. Fulgêncio foi se esconder num lugar remoto, até que soube que todos os bispos tinham sido consagrados. Quando reapareceu havia ainda uma sede vacante, a pequena cidade de Ruspe, e os bispos se apressaram a consagrar o recalcitrante monge, justamente na hora, pois o irritadíssimo rei Transmundo mandou para o exílio na Sardenha, com Fulgêncio outros 59 bispos católicos.

Em Cagliari, Fulgêncio pôde organizar uma intensa atividade religiosa. O próprio Transmundo, que gostava de aparecer como teólogo, escreveu-lhe submetendo-lhe algumas questões difíceis e oferecendo assim a Fulgêncio a oportunidade de redigir alguns tratados teológicos que se tornariam célebres. Morto Transmundo em 523,os bispos exilados puderam voltar às suas sedes. Durante nove anos Fulgêncio dirigiu a sua pequena diocese de Ruspe no estilo bem monástico. Junto à catedral fizera novo mosteiro, no qual ele mesmo vivia pobremente, dedicando grande parte do seu tempo à oração em comum e à composição de obras doutrinais e pastorais. Pai e pastor do seu rebanho, devolvia aos pobres todo o dinheiro que entrava. Saía-se muito bem na pregação. Conta-se que o bispo de Cartago, ouvindo-o pregar na basílica de Furnos, chorou de comoção. São Fulgêncio morreu em Ruspe a 1º de janeiro de 532, aos sessenta e cinco anos, rodeado pelos seus sacerdotes e depois de haver distribuído aos pobres os últimos bens.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-fulgencio-bispo-2#.WdKkkFtSzb0

São Tomás Becket – 29/12

29-12

Uma das escolhas mais felizes do grande soberano inglês Henrique II foi a do seu chanceler, na pessoa de Tomás Becket, nascido em Londres de pai normando pelo ano de 1117 e ordenado arcedíago e colaborador do arcebispo de Canterbury, Teobaldo. Na qualidade de chanceler do reino, Tomás se sentia perfeitamente à vontade: possuía ambição, audácia, beleza e gosto. Conforme as circunstâncias sabia ser corajoso, particularmente quando se tratava de defender os bons direitos do seu príncipe, do qual era íntimo amigo e companheiro nos momentos de distração e divertimento.

O arcebispo Teobaldo morreu em 1161 e Henrique II, graças ao privilégio dado pelo papa, pôde escolher Tomás como sucessor à sede primaz de Canterbury. Ninguém, e muito menos o rei, podia prever que personagem tão comentado se transformaria subitamente em grande defensor dos direitos da Igreja e em zeloso pastor de almas. Mas Tomás já avisara o rei: “Senhor, se Deus permitir que eu me torne arcebispo de Canterbury, perderei a amizade de Vossa Majestade”.

Ordenado sacerdote a 3 de junho de 1162 e consagrado bispo um dia depois, Tomás Becket não tardou a indispor-se com o soberano. As Constituições de Clarendon de 1164 tinham atualizado certos direitos régios abusivos e já em desuso. Tomás Becket negou-se por isso a reconhecer as novas leis e escapou da ira do rei fugindo para a França, onde ficou seis anos no exílio, levando vida ascética num mosteiro cisterciense.

Estabelecida com o rei uma paz formal, graças aos conselhos de moderação do papa Alexandre III, com quem se encontrou, Tomás pôde voltar a Canterbury, acolhido triunfalmente pelos fiéis, aos quais saudou com estas palavras: “Voltei para morrer no meio de vós”. Como primeiro ato repudiou os bispos que haviam feito pacto com o rei, aceitando as Constituições, e o rei desta vez perdeu a paciência, deixando escapar esta frase: “Quem me livrará deste padre briguento?”.

Houve quem se encarregasse disso. Quatro cavaleiros armados foram para Canterbury. O arcebispo foi avisado, mas ficou no seu lugar: “O medo da morte não deve fazer-nos perder de vista a justiça”. Recebeu os sicários do rei na catedral, vestido com os paramentos sagrados. Deixou-se apunhalar sem opor resistência, murmurando: “Aceito a morte pelo nome de Jesus e pela Igreja”. Era o dia 23 de dezembro de 1170. Três anos depois o papa Alexandre III o inscreveu no catálogo dos santos.

29

Santos Inocentes – 28/12

28-12

A Igreja honra como mártires este coro de crianças, vítimas do terrível e sanguinário rei Herodes, arrancadas dos braços de suas mães em tenra idade para escrever com seu próprio sangue a primeira página do livro de ouro dos mártires cristãos e merecer a glória eterna segundo a promessa de Jesus: “Quem perder a vida por amor de mim a encontrará”. Para eles a liturgia repete hoje as palavras do poeta Prudêncio: “Salve, ó flores dos mártires, que na alvorada do cristianismo fostes massacrados pelo perseguidor de Jesus, como um violento furacão arranca as rosas apenas desabrochadas. Vós fostes as primeiras vítimas, a tenra grei imolada, num mesmo altar recebestes a palma e a coroa”.

O episódio é narrado somente pelo evangelista Mateus, que se dirigia principalmente aos leitores judeus e portanto tencionava demonstrar a messianidade de Jesus, no qual haviam se realizado as antigas profecias: “Então Herodes, percebendo-se enganado pelos magos, ficou muito irritado e mandou matar, em Belém e no seu território, todos os meninos de dois anos para baixo, conforme o tempo de que havia se certificado com os magos. Então cumpriu-se o que fora dito pelo profeta Jeremias: ‘Ouviu-se uma voz em Ramá, choro e grande lamentação: Raquel chora seus filhos, e não quer consolação, porque não existem mais’ ”.

A origem desta festa é muito antiga. Aparece já no calendário cartaginês do século IV e cem anos mais tarde em Roma no Sacramentário Leonino. Hoje, com a nova reforma litúrgica, a celebração tem caráter jubiloso e não mais de luto como o era antigamente, e isto em sintonia com os simpáticos costumes medievais, que celebravam nesta circunstância a festa dos meninos do coro e do serviço do altar. Entre as curiosas manifestações temos aquela de fazer descer os cônegos dos seus lugares ao canto do versículo: “Depôs os poderosos do trono e exaltou os humildes”.

Deste momento em diante, os meninos, revestidos das insígnias dos cônegos, dirigiam todo o ofício do dia. A nova Liturgia, embora não querendo ressaltar o caráter folclórico que este dia teve no curso da história, quis manter esta celebração, elevada ao grau de festa por são Pio V, muito próxima da festa do Natal. Assim colocou as vítimas inocentes entre os companheiros de Cristo, para circundar o berço de Jesus Menino de um coro gracioso de crianças, vestidas com as cândidas vestes da inocência, pequena vanguarda do exército de mártires que testemunharão com o sangue sua pertença a Cristo.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.28
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/santos-inocentes-martires#.WdKi0VtSzb0

Santo Estêvão – 26/12

26-12

Depois de Pentecostes os apóstolos dirigiram o anúncio da mensagem cristã aos mais próximos, aos judeus, aguçando o conflito apenas acalmado da parte das autoridades religiosas do judaísmo. Como Cristo, os apóstolos conheceram logo as humilhações dos flagelos e da prisão, mas apenas libertados das correntes retomam a pregação do Evangelho. A primeira comunidade cristã, para viver integralmente o preceito da caridade fraterna, pôs tudo em comum, repartindo diariamente o que era suficiente para o seu sustento. Com o crescimento da comunidade, os apóstolos confiaram o serviço da assistência diária a sete ministros da caridade, chamados diáconos.

Entre eles sobressaía o jovem Estêvão, que além de exercer as funções de administrador dos bens comuns, não renunciava ao anúncio da Boa Nova, e o fez com tanto zelo e com tamanho sucesso que os judeus “chegando de improviso, arrebataram-no e o levaram à presença do Sinédrio. Lá apresentaram falsas testemunhas que depuseram: ‘Este homem não cessa de falar contra o Lugar santo e contra a Lei. Ouvimo-lo dizer que Jesus Nazareno destruiria este Lugar e modificaria as tradições que Moisés nos legou’ ”.

Estêvão, como se lê nos Atos dos Apóstolos (cap. 7), cheio de graça e de força, como pretexto de sua autodefesa, aproveitou para iluminar as mentes de seus adversários. Primeiramente resumiu a história hebraica de Abraão até Salomão, em seguida afirmou não ter blasfemado nem contra Deus, nem contra Moisés, nem contra a Lei, nem contra o Templo. Demonstrou de fato que Deus se revelava também fora do Templo e se propunha a revelar a doutrina universal de Jesus como última manifestação de Deus, mas os seus adversários não o deixaram prosseguir no discurso, porque “dando altos gritos, taparam os ouvidos, precipitaram-se sobre ele, levaram-no para fora da cidade e o apedrejaram”.

Dobrando os joelhos debaixo de uma tremenda chuva de pedras, o primeiro mártir cristão repetiu as mesmas palavras de perdão pronunciadas por Cristo sobre a cruz: “Senhor, não lhes imputes este pecado”. Em 415 a descoberta de suas relíquias suscitou grande emoção na cristandade. A festa do protomártir foi sempre celebrada imediatamente após a festividade do Natal.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/santo-estevao-primeiro-martir#.WdKhKFtSzb0

Santas Ermina e Adélia – 24/12

24-12

Ermina (de onde vem o nome Irma) e Adélia têm muitas coisas em comum: ambas estão ligadas ao florescimento do cristianismo no coração da Alemanha durante a missão de dois grandes apóstolos, Willibrordo e Bonifácio, as quais colaboraram na obra com o sustento tanto material como espiritual; ambas foram fundadoras de mosteiros, dos quais foram também abadessas; ambas são festejadas no dia 24 de dezembro. Com estas premissas é claro que algum piedoso biógrafo achasse outros pontos de semelhança, inventando um parentesco natural pouco provável.

Segundo Teofredo, abade de Echternach, que escreve a respeito de santa Ermina em 1104, as duas santas seriam não só irmãs, mas até filhas de são Dagoberto, rei de Austrásia. São notícias inaceitáveis, pois o documento de que se serviu o biógrafo (a carta de Dagoberto de 646) é falso. Existem de qualquer modo documentos autênticos dos quais se tira o perfil biográfico de Ermina.

Parece que a santa era noiva do conde Ermano. Este morreu antes das núpcias e Ermina quis consagrar-se a Deus, entrando num mosteiro de observância beneditina. Mais tarde ela mesma fundou em Oeren, próximo a Tréveros, um grande mosteiro do qual foi eleita abadessa. Conta-se que naquele período uma grave peste atingiu Tréveros e que o flagelo desapareceu apenas com a chegada de são Willibrordo à cidade. Admirada e comovida, Ermina por gratidão fez presente ao santo missionário da parte que lhe coube em herança da vila de Echternach com a igreja anexa e o mosteiro.

A morte de santa Ermina ocorreu provavelmente em 708, mais ou menos, uns vinte anos antes da morte de santa Adélia de Pfalzel, ligada ao nome de outro grande apóstolo da Alemanha, o inglês são Bonifácio que pregou o evangelho na Frísia, na primeira metade do século VIII. Durante uma de suas frequentes viagens da Frísia à Renânia, o incansável missionário foi hóspede do mosteiro de Pfalzel, em Tréveros, do qual era abadessa Adélia.

A tradição diz que esta santa, uma vez viúva, entrou no mosteiro por ela mesma fundado, levando consigo o netinho Gregório. Durante a permanência no mosteiro, Bonifácio falou tão bem sobre as verdades evangélicas, que o menino, admirado, quis segui-lo. Tornou-se um dos mais zelosos discípulos do grande missionário. É um raio de luz sobre a nebulosa história desta santa, cuja lembrança se confunde com aquela mais vivida de santa Ermina, comuns na santidade, e não no parentesco.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/santas-ermina-e-adelia-religiosas-2#.WdKf4FtSzb0

São João Câncio – 23/12

23-12

Vladislau III Jagelão, lituano, chefe de grande dinastia, converteu-se ao cristianismo por amor ao trono da Polônia, antes que por amor à princesa Edniges, herdeira da coroa. Entre as boas coisas realizadas enumera-se a criação em 1400 da célebre Universidade de Cracóvia. Nela, poucos anos depois, ocupou a cátedra de filosofia e teologia João Câncio, como ele próprio se chamava, pelo costume de traduzir para o latim os nomes nórdicos.

João nasceu em Kety, pequena localidade da Polônia, em 1390. Em Cracóvia fez os seus estudos, laureou-se e foi ordenado sacerdote. Obteve a cátedra universitária no momento em que a controvérsia hussita se tornava mais acesa. João discutiu com vários opo-sitores, recebendo nestas disputas mais insultos que argumentações objetivas. Quando a sua humildade e a sua paciência eram postas à prova, sem perder a costumeira serenidade de espírito, se limitava a responder: “Graças a Deus!”

Na qualidade de preceptor dos príncipes da Casa real polonesa, às vezes não podia se subtrair à participação de alguma festa mundana. Um dia se apresentou a um banquete com roupas humildes e um doméstico o pôs porta afora. João foi se trocar e voltou ao lugar onde se dava a recepção. Desta vez pôde entrar, mas durante o almoço um servente desastrado esvaziou um copo nas suas vestes. João sorriu afirmando: “Está certo que também a minha roupa tenha a sua parte, foi graças a ela que pude entrar aqui”.

Tanto nas pequenas como nas grandes adversidades, João teve sempre em mira algo de bem superior ao prestígio, à carreira e ao bem-estar materiais: “Mais para o alto!”, repetia frequentemente querendo exprimir com este lema o seu programa de vida ascética. Ele se distinguiu sobretudo pela caridade evangélica, com uma marca claramente franciscana.

Durante uma de suas peregrinações a Roma, a diligência em que viajava foi assaltada e depredada por um grupo de bandidos, que infestavam os arredores de Roma. Também João foi roubado mas percebendo que no fundo de um bolso tinha ficado uma moeda de prata, correu atrás dos bandidos, dizendo: “Vocês esqueceram esta”. O biógrafo, que conta o episódio, afirma que os bandidos, comovidos, restituíram todo o dinheiro do assalto. Morreu em Cracóvia, com a idade de oitenta e três anos, na noite de Natal de 1473 e foi canonizado em 1767. A memória do santo, celebrada a 20 de outubro, foi agora trazida para mais perto da data de sua morte.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte: https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-joao-cancio-presbitero#.WdKfEFtSzb0

Santa Francisca Xavier Cabrini – 22/12

22-12

Entre 1901 e 1913 emigraram só para a América 4.711.000 italianos, dos quais 3.374.000 provinham do sul; uma verdadeira doença social, uma distorção segundo políticos e sociólogos (não faltou quem dissesse que a emigração era um negócio para o Estado, resolvia a superpovoação). Mas ao lado dos dramas que a emigração suscitou, é necessário lembrar ainda hoje uma mestra de santo Ângelo Lodigiano, Francisca Cabrini, nascida em 1850, última de uma família de 13 filhos. Ela olhou para o fenômeno da emigração não com os olhos do político ou do sociólogo, mas com os olhos humaníssimos de mulher, de cristã, merecendo o título de mãe dos emigrantes.

Órfã de pai e mãe, Francisca teria desejado fechar-se logo no convento, mas não foi aceita por causa da precariedade de sua saúde. Aceitou então o encargo de atender a um orfanato, que lhe confiou o pároco de Codogno. A jovem, há pouco diplomada mestra, fez muito mais: concitou algumas companheiras a unirem-se a ela, constituindo um primeiro núcleo das irmãs missionárias do Sagrado Coração, postas sob a proteção de um intrépido missionário, são Francisco Xavier, de quem ela mesma, pronunciando os votos, assumiu o nome.

Como o santo jesuíta, gostaria de ter zarpado para a China, mas quando teve conhecimento do descuido culpável e do drama desesperador de milhares e milhares de italianos emigrantes, descarregados do porão dos navios no porto de Nova Iorque, privados da mínima assistência material e espiritual, Francisca Cabrini não mais hesitou.

Também ela na primeira das suas vinte e quatro travessias do oceano condividiu os dissabores e as incertezas de seus patrícios; mas é extraordinária a coragem com que enfrentou a imensa metrópole norte-americana e soube onde estabelecer o ponto de encontro e de socorro para os emigrantes. Antes de tudo olhou para os órfãos e os doentes, construindo casas, escolas e um grande hospital em Nova Iorque, depois em Chicago, em seguida na Califórnia e irradiar enfim a sua obra em toda a América, até a Argentina.

A quem se mostrava admirado com ela por tantas obras, a madre Cabrini respondia com sincera humildade: “Por acaso não foi o Senhor quem fez todas essas obras?”. Traduzidas em números estas obras são nada menos que trinta fundações em oito nações diferentes. A morte a colheu de improviso, após uma das inúmeras viagens, em Chicago, em 1917. Seu corpo foi levado triunfalmente para Nova Iorque na igreja anexa ao Colégio Madre Cabrini para que ficasse perto dos emigrantes.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/santa-francisca-xavier-cabrini#.WdKeCltSzb0

São Pedro Canisio – 21/12

21-12

O apelido arranjado para este santo martelo dos hereges é totalmente impróprio. No caso, são Pedro Kanijs (nascido em Nimega, Holanda, em 1521) pode ser definido como um ferro entre a bigorna e o martelo, isto é, alvo da irritação que a sua pregação suscitava nos ambientes protestantes, e da malevolência e inveja de seus próprios companheiros de religião. Filho do prefeito de Nimega, Pedro Kanijs, em latim Canisius, teve a possibilidade de frequentar ótimas escolas, Direito canônico em Lovaina e Direito civil em Colônia.

Nesta cidade gostava de passar o tempo livre no mosteiro dos Cartuxos. Ninguém suspeitava que o jovem advogado, a quem o pai havia garantido bom encaminhamento na profissão, sob as ricas roupas carregasse o cilício. A leitura do breve livro dos Exercícios espirituais de santo Inácio determinou uma reviravolta decisiva em sua vida: cumprida a piedosa prática em Mogúncia sob a direção do padre Faber, entrou na Companhia de Jesus, e foi o oitavo que emitiu os votos solenes. Na jovem Ordem teve oportunidade de cultivar os seus estudos preferidos e o seu amor pela erudição. A ele se deve a publicação das obras de são Cirilo de Alexandria, de são Leão Magno, de são Jerônimo e de Ósio de Córdoba.

Viveu em pleno clima de reforma e de contrarreforma. Tomou parte ativa no concílio de Trento, como teólogo do cardeal Truchsess e conselheiro do papa. Distinguiu-se pela profundidade de sua cultura teológica, pelo seu zelo e operosidade, mas também pelo espírito pacífico, conciliador. Santo Inácio o chamou à Itália, mandando-o por primeiro à Sicília para aí fundar o primeiro dos renomados colégios; depois a Bolonha para ensinar teologia; por fim, o mandou novamente à Alemanha, onde por trinta anos, na qualidade de superior provincial, infundiu suas melhores energias, em uma época tão difícil pela cisão operada pela Reforma protestante. Teve o merecido epíteto de segundo apóstolo da Alemanha (o primeiro foi são Bonifácio).

Como escritor não se dedicou somente às obras de erudição, mas também e sobretudo às catequéticas, adaptando o ensino à capacidade dos pequenos e dos grandes. São Pio V lhe ofereceu o cardinalato, mas Pedro Canísio suplicou ao papa que o deixasse no seu humilde serviço da comunidade, ocupando o tempo na oração e na penitência. Morreu em Friburgo, na Suíça, a 21 de dezembro de 1597. Teve as honras dos altares e o título de doutor da Igreja em 1925.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-pedro-canisio-presbitero-e-doutor-da-igreja#.WdKdEFtSzb0

São Zeferino – 20/12

20-12

Zeferino é um dos papas que teve longo pontificado: segundo Eusébio de Cesareia foi papa de 202 a 219, e segundo o Catálogo liberiano, de 198 a 217. Precisamente o longo pontificado é uma das poucas coisas que sabemos com certeza a respeito de são Zeferino. Trata-se de detalhe tanto mais interessante, porque os tempos nos quais são Zeferino exerceu o sumo pontificado não eram certamente tempos muito tranquilos. Foi de fato durante o seu pontificado que se desencadeou a perseguição de Setímio Severo.

Este, que se tornara imperador no ano 193, durante os primeiros anos, embora sem abolir o regime de perseguição, não incentivou a sua aplicação, tanto que foram anos de paz para a comunidade cristã. Melhor dizendo, segundo o testemunho de Tertuliano, o próprio Setímio Severo um dia se opôs a uma manifestação popular contra os cristãos. O mesmo Tertuliano, todavia, atesta com o seu desprezo polêmico que particularmente na África não era praticada a mesma tolerância. De qualquer modo essa tolerância terminou em todo o império no ano 200-202, aproximadamente, e foi um edito de Setímio Severo que “proibiu sob pena grave, toda propaganda judaica, e tomou a mesma decisão a respeito dos cristãos”, conforme a História Augusta.

Era uma reviravolta, pois pela primeira vez era emanado um edito explicitamente contra aqueles que pensavam em se converter. Entre os mártires ilustres desta perseguição estavam Perpétua e Felicidade, martirizadas em Cartago juntamente com Saturnino, Secúndulo, Revogado, Saturo. Talvez tenha morrido mártir também santo Ireneu; mártir com toda a certeza e até mesmo na presença de Setímio Severo, foi santo Andeolo. A paz voltou em 211 com a subida ao trono de Caracalla e continuou praticamente também sob os sucessores Macrino, Heliogábalo e Alexandre Severo.

Por isso só impropriamente são Zeferino pode ser considerado mártir, como o fez o cardeal Barônio (e depois dele o Martirológio Romano), “de seu arbítrio e contra a tradição que sempre venerou Zeferino como confessor”. Não obstante a ausência de perseguições, são Zeferino não teve pontificado fácil.

Foi sepultado nas catacumbas de são Calisto, num edifício onde foi sepultado depois também são Tarcísio.

Extraído do livro: Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.
Fonte:  https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-zeferino-papa-2#.WdKcE1tSzb0